BACK IN BLACK DO AC / DC

Back in black

A banda foi formada pelos irmãos escoceses Angus e Malcolm Young, na cidade de Sydney , Austrália. O AC/DC tem o mérito de ser a banda de rock que tem o segundo disco mais vendido na história(o primeiro do rock): Back in Black de 1980, com 42 milhões de cópias vendidas pelo mundo(na discografia geral são mais de 150 milhões de discos vendidos). Para uma banda que é considerada pioneira do hard rock e heavy metal é um feito que a deixa com o status de uma das maiores da história do rock.

Back in Black foi lançado logo após a trágica morte do vocalista Bon Scott, que com sua voz marcante tornou o álbum Highway to Hell um clássico. Tragédias a parte , a década de oitenta começava com o lançamento do disco que consolidava de vez o AC/DC como uma banda que marcaria época.

Ac/dc

O disco Back in Black , com sua capa preta (uma referência de luto a Bon Scott) , é o primeiro de Brian Johnson como vocalista. Sua voz esganiçada (uns diriam até “rouca- histérica”) é uma das marcas da banda; impossível ouvir em outra voz clássicos do disco como: Hells Bells, Back in Black, You Shook Me All Night Long , Shake a Leg e Shoot to Thrill. Canções imortalizadas pela voz de Brian e pelas guitarras dos irmãos Young, que servem para explicar o porquê do sucesso de vendas e o valor que o disco tem(vale a pena ouvir quem não conhece o som).

A banda irá lançar um álbum ainda em 2008 e cair na estrada em 2009, onde especula-se que o AC/DC venha parar em terras brasileiras. Seria ótimo ouvir alguns sucessos da banda (aí incluo vários de Back in Black) e ver a perfomace de Angus Young , com seu uniforme escolar ,deslocando pelo palco, com o passo que foi batizado de “duck walk” e fazendo com que sua guitarra nos ensine o que é o verdadeiro rock and roll.

Angus Young

A ENCARNAÇÃO DO DEMÔNIO, DE JOSÉ MOJICA MARINS

O adeus do maldito do terror...


Zé do caixão

Quem for ao cinema ver “A encarnação do demônio (2008)” pode se supreender ao ver um filme bem produzido, com roteiro e direção na medida , com terror, humor e referências bíblicas e satânicas(de sobra). Um elenco feminino pra lá de sensual, uma fotografia que acompanha bem o imaginário do personagem Zé do Caixão e ainda todo o departamento de arte dando um show, seja no cenário, na maquiagem , figurino , seja na caracterização das mortes, sonhos e pesadelos que o filme apresenta.

É uma boa pedida para o final dessa semana(o filme estréia 08 de agosto em algumas salas pelo país), já que essa película encerra o círculo de produção do nosso mestre do terror tupiniquim: José Mojica Marins. Em algumas entrevistas que deu, o diretor fez entender que irá parar; bela despedida para ele, que vê, depois de trinta anos sem filmar, o final da sua trilogia do Zé do Caixão se encerrar : começou com À meia noite levarei sua alma(1963), Esta noite encarnarei no teu cadáver (1966)...

O filme mostra, depois de quarenta anos na cadeia, Zé do Caixão sendo liberto , e junto com seu fiel ajudante Bruno, seguem para a periferia de São Paulo, onde o coveiro assassino, decide novamente achar a mulher ideal para gerar seu filho perfeito. Como principais obstáculos, a pm de São Paulo(Jece Valadão faz aqui seu último papel no cinema), um padre franciscano(Milhem Cortaz dando um sohw de neurose) e alguns de suas vítimas dos dois filme anteriores, que voltam para atormentá-lo.

Bom ver nosso maldito do terror tendo novamente espaço(diga-se dinheiro) para produzir , dando ao nosso cinema , um representante em um gênero pouco cultuado aqui. José Mojica , sempre disse que lá fora é mais reverenciado que aqui. Mas para quem quer começar a conhecer sua obra, pode muito bem relaxar e ver esse filme. Uma boa pedida, com terror na medida certa.


A encarnação do Demônio