A VIDA ATÉ PARECE UMA FESTA...

Titãs , o filme








O FILME – DE BRANCO MELO E OSCAR RODRIGUES ALVES


Estreou, em algumas salas pelo país, o documentário A Vida Até Parece Uma Festa. O filme é um recorte de diversas mídias (sons,músicas, entrevistas,clipes,imagens inéditas, shows, fotos) dos vinte e poucos anos de carreira de uma das maiores bandas de rock brasileiro, os Titãs. O trabalho recebe a assinatura de Branco Melo e Oscar Rodrigues Alves.

O fato de ter um dos Titãs sempre à câmera no decorrer da carreira resultou em imagens espontâneas e pra lá de divertidas. O grande mérito, porém, foi a forma como os diretores dispuseram essas imagens e montaram um perfeito painel narrativo das vidas dos roqueiros. O resultado é um romance (de pouco mais de uma hora e meia) repleto de dramas, músicas, morte e separações.

Para os fãs, um merecido retrato de seus ídolos e para todos nós um grande documentário que fala por si, com uma linguagem a altura da banda que retrata. Vale a pena conferir.





O LIVRO – DE HÉRICA MARMO E LUIZ ANDRÉ ALZER





Titãs , o livro







E para quem quer ir mais adiante à biografia dos Titãs, após ver o filme, pode se deliciar com o livro A vida até parece uma festa, que relata de forma bem gostosa e romanceada a vida dos Titãs. Está tudo lá: do início no colégio Equipe, os programas de TV, a dureza, o sucesso, a queda, a volta triunfal desplugada, as separações (desde André Jung, passando por Arnaldo e Nando Reis) e a morte de Marcelo Fromer. O livro conta ainda com diversas fotos durante a carreira e um índice de toda a discografia e trabalhos paralelos solos.

Hérica Marmo ( também autora de a Canção do Mago, sobre Paulo Coelho) e Luiz André Alzer fizeram antes em palavras, o que Branco Melo e Oscar Rodrigues Alves fizeram em imagens.Os dois se complementam e nos fazem crer , pela ótica vivida pelo octeto roqueiro, que a vida até parece uma festa de fato. Garantia de uma excelente leitura.Um som para os olhos...

O EX- PREFEITO CÉSAR MAIA


ACABOU CHORARE





Cesar Maia







Ele derrotou todos os grandes nomes da política carioca, dentre eles Crivella,Bendita e sua cria, o ex-prefeito Conde. Ao todo, foram 12 anos de prefeitura , sem contar que ele elegeu seu sucessor que depois o traiu. Foi um prefeito inventivo, com muito apoio popular, com frases de efeito, absurdas, debochadas e às vezes idiotas.

César Maia poderia ter entrado para o seleto grupo de prefeitos que entraram para a história (de forma positiva) da cidade maravilhosa, se não fosse pelo seu ultimo desastroso mandato. Isolado, convencido, ele se transformou numa espécie de eminência parda, pintou e bordou no seu ex-blog , criticou, exonerou, rebateu críticas, sabotou o presidente, travou uma briga boba com o governador do Estado, produziu tanta coisa eletronicamente que esqueceu o trivial: cuidar da sua cidade.

Sua despedida não poderia ser menos melancólica: o prefeito chorou com a foto de seu ídolo (ex-prefeito do Rio) nos braços. O que estaria pensando o ex-prefeito nessa hora: Culpa? Raiva de si? Desgosto? Solidão? Medo?. Ou seria a lucidez óbvia de que ele estaria morto para futuros cargos políticos?

De uma coisa é certa: A cidade precisa de um prefeito que cuide com carinho e atenção dela. E para César Maia: já vai tarde...






Cesar Maia