ANIVERSÁRIO DE 113 ANOS DO VASCO DA GAMA.




Antigo hino do Club de Regatas Vasco da Gama,
Letra e Música: Joaquim Barros Ferreira da Silva
Hino:

Clangoroso apregoa, altaneiro
O clarim estridente da Fama
Que dos clubes do Rio de Janeiro
O invencível é o Vasco da Gama

Se vitórias já tem no passado
Glórias mil há de ter no porvir
O seu nome é por nós adorado
Como estrela no céu a fulgir!

Avante então
Que p'ra vencer
Sem discussão
Basta querer
Lutar, lutar
Os vascaínos
De terra e mar
Os paladinos

É mundial
A sua fama
Vasco da Gama
Não tem rival
Mais uma glória
Vai conquistar
Lutar, lutar
Para a vitória

Sobre os peitos leais, vascaínos,
Brilha a Cruz gloriosa de Malta
Corações varonis, leoninos,
Que o amor pelo Vasco inda exalta.

Quando o Vasco em qualquer desafio
Lança em campo o seu grito de guerra
Invencível, nervoso arrepio
Faz tremer o rival e a terra!

Avante, então, etc.

Vascaínos, avante é lutar
Sempre o Vasco venceu quando quis
Quer em terra, ou ainda no mar
Nunca o Vasco baixou a serviz

Viva, pois, nosso Vasco da Gama
Nosso clube leal, valoroso
Tudo o diz, assegura e proclama
Nosso Vasco é o mais glorioso

Avante, então, etc.

Parabéns ao clube de regatas Vasco da Gama, pelos seus 113 anos.

QUEREMOS MILES, CCBB , DE 02 DE AGOSTO A 28 DE SETEMBRO




A cidade do Rio de Janeiro pediu, e ganhou: A mostra internacional "Queremos Miles" , concebida pela Cité de La Musique(Paris), chegou a capital Fluminense e nos mostra, dentre trezentos itens, gravações, obras de arte(do próprio músico e para o músico), fotografias, vídeos, documentários, roupas, instrumentos musicais, dentre vários outros artigos, compondo uma perfeita homenagem para um dos artistas mais influentes do século 20.





O que mais me chamou atenção, foi a forma como o curador Vicent Bessières organizou a Mostra: de forma bem didática, ele nos apresenta Miles Davis, saído de Alton, no estado de Illinois até a fama na cidade de Nova York. Cabe perfeitamente ,para quem não sabe absolutamente nada sobre o gênio do tropete. E cada fase, seja  do bebop,  cool jazz, jazz modal ou ainda do jazz fusion é bem apresentada "áudio-visualmente falando"...




A Cenografia funciona como um corredor sonoro, você passeia pelas imagens, partituras do músico, ao mesmo tempo em que viaja com suas gravações em diversos sons pelos ambientes da exposição.




"Queremos Miles" é perfeita ao nos guiar e entender a importância de Miles Davis, para a arte de uma forma geral. Um belo legado para esses vinte anos da morte do músico, e um grande presente para a cidade do Rio de Janeiro, sem dúvida.


Quem quiser conhecer um pouco da extensa obra do mestre, indico quatro grandes discos de fases distintas, são eles: Birth of the cool ( 1950), Kind of Blue (1959),Bitches Brew (1969 - a fase elétrica dele que eu adoro) e Tutu (1986).



Amém Miles...



Foto das fotos : José Viana Filho


A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA


Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...




A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.





O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos remete aos canaviais da região do vale do Pindaré) e cria, dá vida a uma estória de terror. Ao mesmo tempo em que você pode se deliciar lendo um belo romance (com um pouco de drama, um pouco de terror e com um peculiar humor), você aprende um pouco sobre a região.





Quem conhece a obra do autor, já poderia imaginar que sua terra natal, seria muito bem descrita em um próximo romance seu. O Livro é uma oportunidade para quem, filho da terra, quer ver em uma obra literária a história da sua cidade ser descrita. Podendo ainda, ver uma versão de uma lenda local ser lida em prosa pelo país a fora.





  Quem não conhece nenhum dos seus romances e tampouco sabe sobre essa lenda, tem uma bela oportunidade de ler uma estória concisa, de suspense e terror, bem como, também conhecer um pouco dessa região do Maranhão. O leitor poderá passar adiante uma lenda que não se sabe quem a criou, para quantos contou e nem quando vai acabar, como outras tantas pelo mundo.





Vanessa Mendes
Professora de Inglês e Literatura
Rio de Janeiro, 2011.

Se alguém se interressar pelo livro envie email para: josevianafilho@gmail.com