O MEU CANTAR VAGABUNDO


 

 

O MEU CANTAR VAGABUNDO


 

Palavras, foram...
Na certa ditaram
O desmantelo incompleto
De verbos esquecidos!
 
Esqueceram,
Molharam
A incompetência inerte

De dar melodia
As consoantes.

 

Encolheram
Sumiram,
Instante após instante...
 
Eu, meio que em prece,
Torço para que tudo
Amanheça!
 
Palavra por favor (uma só já basta)
Cresça..
 
E entupa meu quintal
Com orações pobres ,
Rimas fáceis
Ou português falido!

 

E que a libido
Permaneça
Em estado constante
De criação notívaga.
 
 
 
 
 

CANTO


 

CANTO






 
Não tenho canções compostas,
Apenas  dois livros lidos.
Minhas paredes são minhas costas,
De tudo aquilo que tenho sofrido.
 
Quando fiz essa canção,
Apenas criei mais monstros,
Porque  tudo  que digo e dito,
Depois se transforma em sonho.