CHORO




CHORO







Sei que sou homem
Já não sou criança,
Mas quem disse que  chorar
É privilégio de bebê?


Às vezes tenho fome,
Quero colo, quero beijo;
Quero mãe
como quem quer sonhar.
Quero sonho, não pesadelo,
Tenho fome e sede de amar.