Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

O RETRATISTA OU UMA POSE PARA GEORGIANA

O RETRATISTA OU UMA POSE PARA GEORGIANA                                                                                       das memórias do meu pai



Foto ©Andres Sierra


Era rotina na casa: todas as mulheres acordavam mais cedo, ficando a meu cargo o célebre apelido de dorminhoco. A primeira, sempre pontual, a Maria branca, a babá “mãe”, e braço direito da minha esposa Marly. Com ela todas as meninas, minhas 06 filhas, já se levantavam. O ano era de 1974 e ainda não tínhamos os dois mais novos, Luciana e Zeca. Maria Branca era a luz e a energia pela manhã. Além das meninas, as duas tias , Mairsa e Matilde, levantavam-se para a labuta, acompanhadas da matriarca Marly. O café da manhã já começava a ser feito, e , em lugares separados, as crianças comiam e se divertiam na mesa da cozinha velha. Simone , Silvana, Juliana e Susana, já formavam a algazarra no meio do cada vez eminente barulho, que rondava aquela casa com doze mulheres: seis filhas, duas tias, uma tia avó, três empregadas.
Maria…

PRESENTE CONTINUOUS TENSE

PRESENTE CONTINUOUS TENSE




O passo que damos hoje, Ultrapassa o passado. Esse passado chato, enfadonho, que passa; Que não é lembrado.
A memória que temos; Que outrora vivemos É você desfilando E meu olhar calado.
Memórias que atraem  o presente perfeito que é estar ao teu lado... ©José Viana Filho

CHUVA

Nesse dia dos namorados, doces lembranças:

CHUVA Para Moi

E pingos caem sobre nossos vidros; Eles não quebram, não se despedaçam...
Se esparramam  e observam:
Nossos toques, Nossos olhares, Nossos beijos...
E feliz a chuva presencia nosso AMOR.



©José Viana Filho

MORRO DE VONTADE

MORRO DE VONTADE


Todo mundo um dia vai morrer A diferença está em viver Pode ser com sódio, fel ou rancor Eu prefiro o amor.
Todo mundo um dia vai partir O que te importa és como vais seguir Com muito ódio ou perda Eu caminho pela esquerda.
Todo mundo um dia jaz Com muita ou pouca paz Em um buraco raso ou fundo Eu abraço meu mundo.
Todo mundo um dia se vai ou se levanta ou se cai A direção é você quem determina Deixa que a vida te ensina
Ou se se perde,ou se ama. A morte é certa, E a vida tem , em mãos, várias incertezas.
Esqueço a morte. Não sofro pelo que não se vê, Mesmo sabendo que um dia se vai, Que um dia vamos morrer Prefiro aqui, em vida, eu e você.


A REVOLUÇÃO DAS PUTAS OU DIÁRIO DE UMA MENINA DE PLANTÃO

Comentário Inicial: Revelar a palavra que estou sentindo agora nesse momento, não traria a paz que gostaria que estivesse sentindo. Meu Deus! Eu quero a paz e um pouco mais de dignidade. Sei lá! Acho que as vezes poderia saber o que é amar. Não sei o que me fez sentir a necessidade de me degradar a este ponto, ou talvez a me suicidar a cada dia. Sou Helena, tenho 26 anos, fumo, as vezes bebo, corro da polícia, viciados, inconvenientes, ladrões que perderam a noite enfim de toda a escória ou de quem tenta fazer parte dela ,pelo menos em uma  noite. Já cheguei a fazer sexo 18 vezes na mesma noite, mais a média é de três vezes por dia. Não estou aqui para fornecer dados estatísticos, nem  fazer um discurso  sociológico, e muito menos ainda um diário particular que ficará escondido em qualquer canto. Quero apenas contar a mais forte e gratificante idéia que coloquei em prática. Por cima da janela  vejo que agora, metade do quarteirão é meu, parece que essa sacada mente, mas o que meus olho…

BAILARINA

BAILARINA para moimoi




Tens os pés com essa sina Bailarina... Na ponta, no estilo Com sua beleza , eu retiro: Qualquer elogio a outra mulher.
Rodopia e completa De forma discreta Nossa vida no teu giro... Com sua beleza , eu retiro: Qualquer elogio a outra mulher.






Dança comigo Faz o que quer.

Interpreta suas leis Minha doce mulher...
Me refaça, me beija Provoca -me, me deixa tranquilo Nos meus versos eu insiro Meu amor, por ti mulher.