Pular para o conteúdo principal

PARK CHAN-WOOK E A TRILOGIA DA VINGANÇA.


PARK CHAN-WOOK COM SHOYU E MACARRÃO



Image hosting by Photobucket



O Festival de cinema do Rio de Janeiro no ano de 2005 revelou de uma vez por todas, ainda que já soubéssemos por um único filme, o talento e a maturidade precoce de um diretor coreano: PARK CHAN-WOOK. Tive a oportunidade de assistir aos dois filmes restantes da trilogia da vingança. Aliás, os dois filmes mais concorridos da mostra "Midnight Movies" do festival carioca. O cine Palácio, na cinelândia carioca, foi o palco escolhido para a mostra de "Sr. Vingança" de 2002 e "Lady Vingança" de 2005(esse ainda prestes a fazer estréia no circuito em 2006). A mostra também nos revelou uma grata supressa: ainda teria um filme média seu chamado "Cut"; que integrava junto como mais dois outros episódios("Box" de Takashi Miike e "Dumplings" de Fruit Chan) o filme "Três Extremos". E o roteiro logicamente falava de vingança. O que seria uma trilogia completa se transformou em uma tetralogia da vingança.

Ver uma pouco mais da sua obra me fez ter (ainda mais) a certeza de que estamos diante de um gênio do cinema moderno. Ele é um cineasta que divide platéias, vide Cannes em 2004, onde após projetar seu filme viu-se entre vaias e aplausos calorosos. A maior admiração do festival veio de Quentin Tarantino, presidente do júri a época. 'Old Boy" saiu com o "Grande Prêmio do Júri", no Festival de Cannes. Mas para dar um gostinho na boca dos leitores vamos recordar em pequenas sinopses cada filme:

O começo da tetralogia começa com:


"Sr. Vingança":


Image hosting by Photobucket



Seu filme mais cru e direto. Para mim o melhor de todos. A trama gira em torno de um surdo mudo que quer ajudar sua irmã que precisa de um transplante de rim. Vê a possibilidade de seqüestrar a filha do seu ex chefe (por vingança, pois foi despedido no momento que mais precisava) para tira-lhe o órgão. Mas os planos obviamente não seguem o curso. E há uma vingança dentro de outra vingança que terminará em outra vingança. Um roteiro que não te deixa respirar, mesclando todo o estilo de PARK CHAN-WOOK, fazem desse filme uma pérola da sétima arte.

Uma má notícia: Quem não viu no festival (a cópia veio com legendas em inglês e assistimos com tradução simultânea), vai ter de esperar em DVD, isso se vier a ser lançado.


"Old Boy" :



Image hosting by Photobucket




O maior sucesso de sua carreira até então, já mescla sua crueza com um lirismo que só os diretores orientais sabem imprimir(na minha opinião). O filme narra aquela que será a mais fria e calculista vingança que um ser humano pode sofrer pelo outro. Vou parar por aqui porque entrar no terreno descritivo desse filme seria estragar as diversas viradas que o roteiro dá.Impressionante, violento e perverso. Aviso importante: Tirem as crianças da sala e se você tem estômago fraco, esqueça.

Boa Notícia: Já tem em Dvd. Eleito um dos dez melhores filmes, pelos cariocas, em 2005.



"Cut":


Image hosting by Photobucket



Segundo episódio que compõe o filme "Três extremos", o diretor mistura aqui humor negro para desenvolver a trama de um figurante que se vinga de um diretor famoso por nunca o ter notado ou quem sabe lhe ter dado um papel melhor. Destaque para os elementos que compõe o cenário da vingança do figurante psicopata, que, aliás, está impecável na atuação. Cruel e ao mesmo tempo engraçado.

Sem notícias: sendo uma produção de 2004 acho difícil chegar às telas. Acredito que sairá direto em DVD.


"Lady Vingança":



Image hosting by Photobucket




E fechando com chave de ouro a tetralogia, o diretor coreano explora o universo feminino, colocando o ódio de uma mãe que quer vingar-se de um homem , responsável pela separação do seu filho e ainda a colocou na cadeia, forçando-a a admitir um crime que não cometeu. Com uma produção bem mais rica, PARK CHAN-WOOK, nos brinda com uma história recheada de ódio e ,na minha opinião, nos leva a vingança mais macabra de todos(Kill Bill fica parecendo história infantil). Já se despedindo do tema ele termina de forma mais lírica o filme. O que nos faz imaginar o que vem pela frente.Uma coisa é certa : ele tem de mudar de tema.


Notícia quase boa: O filme deve ser lançado ainda esse ano, mas somente em no pequeno circuito "Rio - São Paulo".

Obs: Não se espantem se esse diretor invadir os estúdios americanos com sua inteligência, seu estilo, sua originalidade, que fizeram a platéia do Rio de Janeiro aplaudir de pé todos os e seus filmes projetados no festival carioca de 2005.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…