COPACABANA NOITE ADENTRO






 
 
No instante que escarro

Na têmpora do tempo,

Eu , ousado e inerte,

Mergulho na maresia

Que, por horas, via.

E encontro “ques”  e presentes.

Na minha rua,
Gritos e tropeços!
Neva coca no Lido.

Copacabana,
Um instante e dois versos.
Minhas rimas, meus desejos.
E outrora inverto o sentido
do meu tempo.