Pular para o conteúdo principal

ADEUS BRASIL NA COPA DO MUNDO...

Crônica de um Parreira anunciado ou treze dá azar.



Photobucket - Video and Image Hosting



O Zagallo tinha razão: 13 é o número dá sorte... Só para ele...

No jogo Brasil e França que eu vi, a sorte passou longe. E por falar em número 13, calculei o primeiro azar: Jogamos no dia 1 de julho(mês sete). 1 + 7 = 8. E foi no horário do Brasil as 16 horas. 1 + 6= 7. Então , 8 +7 = 15, menos o Ronaldinho Gaúcho(que não foi a copa) e o um quilo que Ronaldo perdeu na copa dá 13. Azar....


Nem Santo Antônio nos ajudou. Treze dá azar. Azar também é ver o Parreira sem fazer nada. Sem tomar providência diante da sua constelação sem luz verde e amarela. Se quiserem um culpado, estou aqui: Fui eu. Acordei mal, com dor de barriga, não tomei Skol no café da manhã e ainda azarei as 12 horas o time de Felipão. Na minha impáfia já estava garantido nas semi finais e queria uma Inglaterra toda quebrada.

De início soltei uma frase com treze letras : "Tira o Kaká poxa!". Mas foi sem querer, nem conferi se dava treze letras. Era a melhor opcão que o Parreira tinha para fazer. Kaká parecia que tinha comido miojo no almoço. Sem força, sem inteligência, sem nada...

Um português do meu lado gritou: "Essa seleção aí?" e riu. Eu não defendi nosso esquadrão, mas captei o segundo sinal de azar. Essa seleção aí tem treze letras. Que merda... Aí foi o final do primeiro tempo!

Pensei que o Kiko treinador fosse mudar. Nada!! A mesma seleção, a mesma comédia de costumes mal escrita. E o time de merda (com treze letras) que veio, sem toque, sem clima, sem amor, sem lá o quê mais. A mesma repetição. A! O Kaká fez caca de novo e de novo treze letras...

A França não foi melhor, nós é que fomos tristes demais, nosso futebol não era alegre? Alguém não disse isso um dia. Agora vou ter de ver mais uma vez os cronistas esportivos do GLOBO falando da Seleção de setenta. Vou ter de assistir mais uma vez Pelé dando um toque para Carlos Alberto fazer o quarto gol na Itália. Chega.

Mas com tanto treze a gente podia ganhar? Foi muito para um jogo só: Ronaldo gordão e Zidane deu show tem treze letras. E foi o retrato do jogo. Zidane suando de talento e Ronaldo suando de peso. O gol era questão de tempo mesmo, e nao deu outra, nosso ex-lateral Roberto Carlos (seu nome tem 13 letras hein?) nem viu Henry voar e fazer o gol. Aliás Henry com o pé, gol! Tem 14 letras, menos o gol feito, dá treze. Azar.

Alguns vão dizer, "não cuplem Parreira não, ele é vencedor, ele e Zagallo nasceram de cú para lua"... Eu não vejo isso, aliás nunca vi. Eu tô maluco não? (treze letras de novo). Ainda mais constando no currículo dos dois esse capítulo débil do nosso futebol. Mas tinha de ser contra a França, poxa? A gente devia ter saido para Gana, França não. Tenho trauma, aliás traumas: Olimpíadas de Los Angeles em 1984, Copa do Mundo do México em 1986 e aquela final pavorosa de 1998 no próprio país dos sem banho. Não sei onde está o cú deles e não entendo de lua, mas Parreira perdeu e Zagallo perdeu (com treze letras e tudo), e O Brasil (a seleção verde e amarela e seu quadrado mágico):


Voltou para casa (iii tem treze de novo) .

Volta Felipão!!!!



Photobucket - Video and Image Hosting


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…