Pular para o conteúdo principal

MEU CARNAVAL 2010 NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO





Photobucket




Sexta tem o bloco  Embaixadores da Folia

Sábado tem o Cordão do Bola preta e desfile do grupo de acesso na Sapucaí

Domingo tem o bloco Simpatia é Quase Amor

Segunda  tem Portela na Avenida

Terça tem os blocos Me Beija que sou cineasta, Rio Maracatu e Os Mariocas

Assim fica o carnaval pra mim...







Aguia Portela





Comentários

Dilberto L. Rosa disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse…
q fôlegoo hein.
divirta-se.
fui, (v)
Jens disse…
Zé Viana, faz a festa por mim.
PS: imperdível o documentário sobre o Francis, aí embaixo. Valeu a dica.
luluonthesky disse…
Um dia ainda terei o gosto de ver o carnaval no Rio.
Big Beijos
Sergio disse…
viva as venturas do carnaval do nosso rio maravilha. que saudades da sapucaí no sábdo do grupo de acesso. valeu zé!!
LuCordeiro disse…
Dos blocos fico na periferia pq não aguento o calor e o empurra-empurra. "Simpatia é quase amor" deixou Ipanema em ruínas,isso,pra não falar na Banda de Ipanema. Patinei nas poças de xixi...caraca! Tentei pedalar e quase atropelei vários bebuns.No fim me rendi à TV para ver o desfile das Escolas. Amei a Unidos da Tijuca! Me pareceu a Mocidade antes da morte do capo Castor de Andrade.Mas,o carnaval foi bom.Alegria,barulho,risadas,amigos encontrados ao acaso,sol,batucada. Enfim,vale a pena estar vivo!
bjsss,carnavalesco animado! (estou te esperando na "A Baronesa de Munchausen".

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…