Pular para o conteúdo principal

FAREWELL DE CARLOS DRUMOND DE ANDRADE

UM ADEUS PARA OS LEITORES



Image hosting by Photobucket

A DESPEDIDA DE DRUMMOND


Image hosting by Photobucket




Há muito tempo gostaria de ter escrito algo sobre um dos maiores poetas da Língua Portuguesa e um dos mais importantes poetas brasileiros: Carlos Drummond de Andrade. Drummond produziu uma larga e extensa obra no decorrer de sua vida. Influenciou e criou toda a poesia moderna do Brasil, tornando-se indispensável à leitura de sua obra para no mínimo entendermos um pouco de nossa poesia. É, ainda, obrigatório para percorrermos qualquer caminho que queiramos seguir na linha da poética nacional.


Curiosamente começo pelo seu livro menos lido: "Farewell", livro póstumo publicado em 1996. O livro é uma despedida melancólica e saudosista, onde Drummond consegue impor um ritmo de consternação incrível, fazendo com que de fato, nós leitores, entremos no seu mundo de adeus.


Ao morrer em 17 de agosto de 1987, esse mineiro de Itabira e carioca de coração, deixou-nos 47 poemas inéditos em uma pasta azul, em ordem alfabética, exceto pelo poema "Unidade" que abre o livro. Por ser seu leitor (aliás, o poeta que mais li), gostaria de indicar essa lembrança viva da obra de Drummond, longe de ser seu melhor livro, mas também indispensável por ser um testamento tão intenso e sereno do Mestre da poesia nacional. Como ele mesmo dizia : "Aos leitores, gratidão, essa palavra tudo".


Despeço-me aqui com uma poesia do livro, intitulada "Verbos"


VERBOS

Sofrer é outro nome

Do ato de viver.

Não há literatura

Que dome a onça escura.

Amar, nome-programa

De muito procurar.

Mas quem afirma que eu

Sei o reflexo meu?

Rir , astúcia do rosto

Na ameaça de sentir.

Jamais se soube ao certo

O que oculta um deserto.

Esquecer, outro nome

Do ofício de perder.

Uma inútil lanterna

Jaz em cada caverna.

Verbos outros imperam

Em momentos acerbos.

Mas para que nomeá-los,

Imperfeitos gargalos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…