Pular para o conteúdo principal

MATCH POINT DE WOODY ALLEN


O PONTO FINAL DE UM MESTRE




Image hosting by Photobucket


Escrevi sexta-feira (dia 03 de fevereiro) passada no Miscelânea sobre a Maratona Odeon Br, que acontece na primeira sexta de cada mês. Pois bem, o filme mais esperado para ser visto no circuito nacional era Match Point (Ponto final) do diretor Woody Allen. Tanto que os ingressos acabaram antes das vinte e duas horas; eu, por exemplo, fui o penúltimo da fila (sorte a minha!).

E toda a ansiedade foi devidamente consumida para ver o que todos já haviam falado no Festival de Cannes de 2005: Woody Allen se superou. Longe daquele seu humor mais pop, que vinha sendo disparado nos seus últimos filmes (desde Poderosa Afrodite) ele, (em Match Point) pára e dispara sua câmera de uma forma densa, direta e cruel. Não há humor, mas ainda reside o olhar observador e crítico sobre o relacionamento homem/mulher e sobre a sociedade que os cerca.

Não há jazz, há óperas de Donizetti, Verdi e Rossini. Não há a classe média alta de Nova Iorque e sim uma burguesia londrina, o que faz o clima do filme ser ainda mais "operístico" diante dos fatos que ocorrerão. Não há atores americanos trabalhando por um décimo do cachê habitual, há sim um excelente elenco britânico, exceto pela loira Scarlett Johansson, que prova ser uma das melhores atrizes de sua geração, nos vários sentidos que isso possa ser entendido. Também não há Woody Allen atuando...

As substituições dos velhos clichês do diretor tornam a nossa curiosidade cada vez maior com o decorrer do filme.O jovem jogador de tênis irlandês Chris Wilton (Jonathan Rhys-Meyers) vai tentar a vida em Londres. Cansado das grandes turnês de tênis, procura ensinar o seu ofício clubes londrinos da alta sociedade. Consegue um emprego, conhece um rapaz rico da família Hewett. A partir daí começam os "plots" que irão nos levar a trama macabra de "Match Point". O jovem Chris se "apaixona" e se casa com a irmã do seu aluno rico Chloe Hewett Wilton (Emily Mortimer). Vai trabalhar nas empresas do pai de sua esposa, tem a simpatia do sogro e da sogra, apartamento caro, motorista, viagens e tudo que a burguesia londrina pode oferecer. Uma jogada de mestre.

O problema, (ele tem que existir lógico) é que antes de se casar o ex-tenista conhece a namorada do seu cunhado: Nola Rice, uma aspirante a atriz americana vivida por Scarlett Johansson.A loira fatal se separa de Tom Hewett (Matthew Goode) e viaja sem deixar rastros. Até que o destino os coloca de novo frente a frente para viver uma paixão "caliente" que dá literalmente frutos (ela engravida). A gravidez força (por pressão da amante também) Chris Hilton a lutar por um impasse: deixar sua vida burguesa por uma grande paixão (sem dinheiro) e filho . Será que vale a pena?

Woody Allen nos apresenta uma solução dotada de cinismo, terror e frieza. O melhor desse filme não são as atitudes que fazem de Chris Hilton um personagem perfeitamente canalha, mas sim no último suspiro do roteiro que faz que a gente pense que a vida além de ópera pode ter sempre um ponto final surpreendente. O filme é envolvente, tenso, amargo e obrigatório.


Image hosting by Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…