Pular para o conteúdo principal

SESSENTA E QUATRO CONTOS DE RUBEM FONSECA

Image hosting by Photobucket




SESSENTA E QUATRO VEZES RUBEM FONSECA



Image hosting by Photobucket



Para o casal Lima Rosa (Dilberto & Jandira), um dos presentes de casamento.


Uma ótima oportunidade para quem quer mergulhar na obra de um dos maiores escritores da língua portuguesa e antes de tudo conhecer uma literatura limpa e enxuta, direta e chocante, violenta e lírica, contemporânea e culta (com redundância e tudo). Essa coletânea conta com diversas histórias que tornaram conhecido esse mineiro com alma carioca. Desfilam pelo livro personagens como Mandrake (em três casos imperdíveis), Lúcia Mccartney (a eterna prostituta apaixonada) e Pereba e Cia (em um dos seus maiores e mais conhecidos contos: "Feliz Ano Novo").

Rubem nos faz mergulhar na alma do personagem, sem sinais e ou mistérios. Suas histórias são diretas e às vezes até previsíveis, porém se remontam perante suas descrições e senso de humor ácido.

Todo esse estilo, faz com que, quem o leia entre de cabeça nas dores, desejos e pensamentos dos personagens. Pensamentos esses, que vão do patético, passando pelo romântico e em muitos dos casos contados dialogam e muito com a violência. Sua formação policial (foi comissário de polícia na década de cinqüenta) faz com que a verrossimilhança das histórias com a vida real (leiam os jornais e comprovem) nos desperte ainda mais para uma leitura crítica, descritiva e terrivelmente perto de nossas janelas.

É esse mundo literário, cada vez mais próximo de nossa realidade, que vocês encontrarão em sessenta e quatro histórias instigantes, bem humoradas, cruéis e violentas (não necessariamente nessa ordem) um pouco da obra e do estilo desse mestre de Copacabana. Rubem Fonseca é um dos poucos autores que se podem dar ao luxo de jogar uma série de contos sem se repetir ou se tornar cansativo. Garantia real de prazer literário para quem gosta de ler ou não.


Image hosting by Photobucket

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…