Pular para o conteúdo principal

POESIAS DE NAURO MACHADO


NAURO MACHADO


A ANTIBIÓTICA NOMENCLATURA DE NAURO


Image hosting by Photobucket



No dia 02 de agosto de 1935, nascia um dos maiores representantes da literatura brasileira. Maranhense de São Luís, este poeta fecundo e hermético tem publicado mais de trinta livros e algumas antologias. Nauro Machado faz parte da geração de grandes poetas, que firmaram a poesia moderna brasileira em um patamar digno, e ainda buscaram caminhos fecundos e distintos para a língua portuguesa no Brasil.

Infelizmente Nauro ronda o caminho do esquecimento e até de não conhecimento de sua obra. Tido para alguns críticos como o Fernando Pessoa brasileiro, seus poemas ainda estão reservados para um grupo seleto de leitores que desfrutam da sua sensibilidade, bem como se influenciam direta e indiretamente através do seu legado. O fato é, que, sua obra, bem como o autor, andam soltos pela Ilha de São Luís, aliás, um dos poucos privilégios, diria até um diferencial de morar em São Luís do Maranhão, é ter Nauro Machado andando pelas ruas da cidade...

Tenho em mãos uma antologia poética que começa com "Campo sem Base" (1958) e vai até "Funil do ser" (1995), seu último livro "A rocha e a rosca" é de 2003. Despeço-me com duas poesias do primeiro e o do último livro (da antologia) respectivamente:



METAMORFOSE INICIAL

Me crio em nova forma. Não
A que em quartos, corpos
Gastos sofrem, tão sós,
Pastos vis de um mútuo asco
Solitários. Bem os sei também
Distendidos, parto enfim
Da morte, não a própria
(dificílima),
mas suja e dividida
forma. Uma incessante, dia meu, -
árduo, que sobre o piso a
comida de ontem jazz. Sabe a ,
tarde, loucura, carne ou
legume? No banho seu odor
me penetra ? sabre. Foi e
não é, coube e já não
cabe: cai, ressequida, lúcido
ódio! Me crio em nova
forma. Não esta, mas outra
maior, dia meu, mais árduo,
onde meus ócios secam,
apodrecidos, no tédio
das palavras.



CONSOLO E TABUADA

A poesia, poeta
É um hálito apenas:
O beijo sonoro
De uma boca morta.
O primeiro número
No derradeiro:
O número total
Na essência de Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…