Pular para o conteúdo principal

JORGE BEN JOR

TAKE IT EASY MY BROTHER JORGE


Image hosting by Photobucket



Carioca de Madureira criado no Catumbi, esse flamenguista (seu único defeito, perdoado pelo seu talento sem precedentes) desde pequeno gostava de cantar no coro da igreja e participar dos blocos de carnaval. Na adolescência e juventude ganhou um violão e ai começou sua paixão pela música tocando bossa nova e rock'n'roll. Em 1963 o cenário musical brasileiro foi, literalmente, sacudido pela presença desse músico. O carioca Jorge Duílio Lima Menezes, o Jorge Ben, tinha nome estranho e uma levada que não era exatamente a bossa nova (que o influenciara), era um som novo... Eu até imagino o mercado fonográfico tentando encaixá-lo em algum ritmo da moda, sem obter sucesso, lógico.

Jorge Ben não só misturou toda a batida afro com a bossa nova "jazzística", como trouxe uma levada única para o samba brasileiro.Como ele mesmo diz "um misto de maracatu". Dono de uma célebre puxada de violão (aprendida num método simples que ganhou da mãe quando servia o exército) pelas cordas graves, características de seu estilo tanto copiado e seguido, redefiniu a música popular brasileira. Seu primeiro disco, "Samba esquema novo", foi um estrondoso sucesso na década de sessenta, o que o levou ao mercado americano e a rodar o mundo com sua poesia mística, social ou simplesmente divertida.


Jorge Ben não se encaixou em nenhum movimento da produtiva década de sessenta, influenciado pela bossa, flertou com a Jovem Guarda e ainda se fundiu ao tropicalismo com sucessos bem conhecidos, como "País Tropical", "Charles Anjo 45" (aqui ela revela a ascensão do tráfico e a simpatia dos moradores pelos então bandidos da época), tornando-se um artista que interagia com todos os bons movimentos de vanguarda da música brasileira. Sua carreira teve altos e baixos, com surtos de descobertas e redescobertas do tumultuado gosto do público brasileiro. Teve ainda sua música "Taj Mahal" plagiada pelo ídolo pop Rod Stewart, com os devidos direitos creditados ao músico pela Justiça.

Entrou na década de noventa com o nome transformado para Jorge Ben Jor e o sucesso W/Brasil lhe valeu o reconhecimento e outra redescoberta de sua obra.O fato é que esse carioca, lançado no Beco das Garrafas em Copacabana, trouxe na sua música e na sua poética uma importância única na música brasileira, com sua mistura de soul e funk americano com influências árabes e africanas, que vieram com certeza de sua mãe Etíope, Jorge Ben Jor entra para o grupo seleto de artistas que são tão originais em sua obra, que sequer conseguimos segui-los sem imitá-los.


Minhas Músicas prediletas de Jorge Bem Jor: "Os alquimistas estão chegando", "Taj Mahal", "Take it Easy my Brother Charles", "Se segura malandro", "Jorge de Capadócia", "Ive Brussel", "O namorado da viúva", "O telefone tocou novamente", "Santa Clara Clareou" e "Curumim chama cunhatã que eu vou contar".

Obs.: Clique nos links acima p/ouvir trechos das músicas mencionadas


Image hosting by Photobucket


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…