Pular para o conteúdo principal

PAULO FRANCIS

Paulo Francis: Cênico, cínico e atual


Image hosting by Photobucket




Quando Paulo Francis morreu em 04 de fevereiro de 1997, sabia que algo que me era familiar naquele rosto, na voz, (aquele tom sarcástico e diferente do jornalismo brasileiro). Vários depoimentos tomavam conta do telejornalismo brasileiro, uns mais deslocados, outros mais emotivos. Confesso que fiquei curioso pela obra dele, e me senti culpado por não ler a famosa coluna "Paulo Francis e sua corte", que fora da folha de São Paulo e depois passou para o Estadão.

Paulo Francis será sempre lembrado pelo seu rosto estampando uns óculos exagerados que mostravam ao fundo seus olhos expressivos pela timidez declarada: "Sei que é meio chocante o que eu vou dizer, mas eu prefiro a solidão dos livros ao contato com as pessoas. As relações humanas são sempre complicadas, não importa se com homens ou com mulheres. Eu sou um homem muito tímido". Timidez que era substituída pelo tom fanfarrão e debochado ao apresentar, toda noite, seus comentários no Jornal da Globo e em algumas inserções no Jornal Nacional e depois semanalmente no Manhattan Connection na GNT.

Comecei o interesse por sua obra depois da morte dele. E ler Paulo Francis é um exercício contínuo de cultura e lazer. Francis nos remete a uma pesquisa constante para de fato aprofundarmos nossa leitura em sua obra. Não falo aqui de seus deboches na Televisão, com um personagem criado que ao mesmo tempo choca e faz rir,(sua formação teatral ajudou a construir aquele fake televisivo); nem falo de suas colunas dos jornais. Mas falo da sua pequena e discreta participação na literatura brasileira: "Cabeça de Papel", "Cabeça de negro", "Filhas do segundo sexo" e o "Afeto em que se encerra", sem contar com o texto de crônicas sobre as lembranças da ditadura em "30 anos hoje (1994)".

Paulo Francis conseguiu (aqui uma opinião como leitor) transpor a sua forma verborrágica e cínica, cheia de frases misturadas e comentários entrecortados para a Literatura. Confundindo narrativa literária com jornalística e ainda passar todo o seu baú cultural em citações de suas influências em todo mundo. Pode parecer hermético, mas não é. Ele aliás, defendeu a fundo a contra-cultura universitária cheia de termos e palavras mocas , colocou o academicismo abaixo. Sua leitura é leve, direta e gostosa, ao final você se sente mais poderoso, mais confiante e entendedor do mundo.

Dos seus livros posso indicar "Cabeça de Papel" que narra a história de um tal jornalista Hugo Mann e usa como pano de fundo todo o cenário de Ipanema (Bairro que na época da Ditadura era palco da cultura e política de esquerda brasileira), traça comentários sobre o mundo e o Brasil de uma forma geral, passando uma angústia tão forte e atual que o livro parece ter sido escrito hoje. E em "Cabeça de Negro", o protagonista é Hugo Mann, que, com a morte de Hesse, tem que carregar nas costas o peso de ser uma voz dissonante. E na consciência um cheque de US$ 300 mil, recebido quando correspondente em Nova York, por agir como lobista no Congresso americano para um magnata brasileiro.

Um livro completa o outro, na verdade era uma trilogia, nunca terminada pelo autor. Ao ler um, necessariamente você se obriga a ler o outro. Já "Filhas do segundo sexo" é uma obra considerada por muitos, como pequena, uma tentativa de aproximar ao máximo da linguagem de folhetim, uma ficção popular. Eu adorei a novela e futuramente publicarei uma crônica sobre ela.

Paulo teve sua vida envolvida em polêmicas e confusões, e nunca deixou de ser ator, sempre quis platéia, choque, rompimento, cênico por natureza. Da Globo, do Manhattam Connection, da Folha, de onde fosse, queria deixar claro sua opinião, e deixou. Mas o fato é que já se passaram nove anos da sua morte e o velho Francis ainda incomoda: gente como Caetano Veloso, ainda o critica e bate como se ele ainda fosse vivo. Mas seu discurso foi ainda muito maior do que ele propriamente poderia imaginar. Paulo Francis não só influenciou como influenciará gerações, pelos menos daqueles, que ao olhar atento, saberão distinguir seu umbigo do mundo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POEMA COGITO DE TORQUATO NETO

UM POEMA QUE ME FEZ LEMBRAR






Ao encontrar e ler ,de Torquato Neto o poema Cogito,na mesma hora esqueci do que realmente procurava...

Poesia tem dessas coisas: lemos, absorvemos e ficamos pensando no que poderia ter feito ou sentido o poeta para se expor tão a fundo, e adentrar em nossas mentes e fazer o tempo voltar como uma espiral...

Torquato pertence ao grupo de poetas que viveram pouco (apenas 28 anos), deixaram uma obra curta e nem por isso fizeram mal uso das palavras nos poucos anos que tiveram para criar.

Ele também pertence ao grupo de poetas suicidas , um dia após completar 28 anos de idade (Ele nasceu em Teresina, Piauí, em 09 de Novembro de 1944), ligou o gás do banheiro e suicidou-se. Deixou um bilhete: "Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar"( Thiago era o filho de três anos de idade)...

Se ele foi c…

UM POUCO DA POESIA DE NAURO MACHADO

O ANAFILÁTICO DESESPERO DE NAURO


Poesia nunca é demais, e sendo de um ídolo seu então!...Haja inspiração correndo solta na minha cabeça ao terminar de ler qualquer poema de Nauro Machado. Para tornar essa quinta-feira quente, resolvi então publicar aqui alguns de seus poemas, para ser mais preciso cinco poemas.
Poemas lidos e relidos no decorrer da minha vida de leitor e admirador da obra desse poeta maranhense.Sempre que tenho dúvidas, meu ?manual prático para certezas da vida? é algum livro de Nauro . Ele dita sempre o tom certo para quem procura tirar um pouco os pés do chão.



RADIAÇÃO

Eu vi a glória nos lábios da eternidade.
Eu vi o universo inteiro na angústia do fogo.
Pelo canto noturno, em galés da alvorada,
Eu vi os farrapos trêmulos da última estrela.

*******

TRAGÉDIA

A grande aventura do poeta
Consiste em seu tão pequeno rio
A voltar para a imensa fonte dele.

*******


RELACIONAMENTO

O eterno não cabe
Naquilo que o come,
Se de mim não sabe
O vizinho homem.

Entanto me bebem
Os olhos alheios,
Até qu…

A LOIRA DO CEMITÉRIO DE JOSÉ MARIA SOARES VIANA

Uma lenda pode sobreviver no decorrer por várias gerações. Pode, inclusive, ser um marco para contar a história da formação de uma nação. Há diversos exemplos em nossa cultura e na de outros países. No folclore popular, adaptadas para o cinema e ou em clássicos da literatura, elas estão lá: lendas urbanas, rurais, infantis, mágicas, surrealistas, de terror...



A loira do cemitério é mais uma lenda popular, criada no interior do Maranhão, mas precisamente em Santa Inês. A loira aparece sempre na estrada do cemitério da cidade, pede uma carona para quem passa em algum veículo motorizado, e, ao passar por ela, o condutor pode apostar que a loira está de carona. Uns dizem que ela era uma menina que foi atropelada na estrada, outros falam que ela morreu de alguma doença, outros que foi assassinada pelo pai.




O que o autor fez neste livro foi dar uma biografia e tornar “real” a estória dessa lenda local. José Maria Viana coloca como pano de fundo, a história da criação do seu município (que nos…